Guia do Seguro-Desemprego 2016-2017

Você possui dúvidas quanto aos seus direitos como trabalhador brasileiro? E quanto ao seguro-desemprego? Saiba tudo sobre esse importante direito!  

Mesmo que saibamos que nossos direitos e deveres devem caminhar juntos durante nossa trajetória como trabalhadores remunerados, muitas pessoas ainda não sabem como funciona o seguro-desemprego e como isso influencia suas próprias vidas.

Nesse caso, esse guia do seguro-desemprego abordará desde a conceituação até as novas mudanças impostas recentemente pelo governo federal, o seguro desemprego de acordo com a nova lei 2015/2016.

Você verá neste guia sobre o seguro-desemprego:

 Guia do Seguro Desemprego

O que é o seguro-desemprego, afinal? E qual a finalidade?

No Capítulo II da Constituição Federal, dos Direitos Sociais, está presente o artigo 7º que dispõe sobre os direitos estipulados para os trabalhadores urbanos e rurais, assim como outros trabalhadores que objetivam melhores condições sociais.


Melhores recursos para estudar inglês em casa

Faça seu cadastro e recebe essa lista de recursos pra você quer quer aprender e melhorar seu inglês.

Espere!

Thank you!

Dê uma olhada se o email não foi parar nas abas social ou promoções!

Nesse artigo está presente dois pontos significativos:

  • Proteção contra uma dispensa arbitrária ou também sem justa causa, prevendo direitos de indenização compensatórios e outros,
  • E o seguro-desemprego, para situações em que ocorrem desempregos involuntários.

O seguro-desemprego, portanto, é um benefício, ou melhor, uma assistência financeira, mas temporária.

Dessa maneira, além do objetivo de prover um auxílio financeiro temporário, o seguro-desemprego pode também assessorar em ações de recolocação e orientação para novos empregos, assim como ações para a própria qualificação profissional.

Nova Lei do Seguro desemprego

A nova lei do seguro desemprego foi sancionada no dia 16 de junho de 2015 sendo válida desde então e para os próximos anos, tais mudanças afetam na prática a primeira e a segunda solicitação do seguro desemprego, cujo as regras você verá no decorrer do guia.

A Medida Provisória 665, que alterou a Lei 7.998/90, a qual regula o Programa do Seguro Desemprego, passou por diversas alterações na Câmara e no Senado desde sua publicação, em 30/12/2014.

Receba grátis O Guia Completo para uma Entrevista de Emprego Perfeita!

Please wait...

Muito obrigado. Seu Guia chegará ainda hoje em seu email.

Lembre-se de conferir as abas promoções e social de seu e-mail.

Como falado anteriormente a MP 665 virou a Lei 13.134/15 a partir de 16/06/2015 quando foi sancionada alterando o Art. 3º, sobre o direito à percepção do benefício, e o Art. 4º, sobre os meses trabalhados e parcelas a receber, da Lei 7.998/90.

Quem tem direito ao seguro-desemprego com as mudanças feitas em 2015?

O seguro-desemprego é um direito para:

  • Trabalhadores que foram dispensados sem justa causa – se comprovar,
  • Dispensas indiretas (o próprio trabalhador entra judicialmente para romper o contrato de trabalho, por motivos de não pagamento do empregado, assim como situações caluniosas ou de difamação contra o empregado, e também situações que podem ameaçar a integridade física dele),
  • Pescadores artesanais,
  • Trabalhadores resgatados (em condições de trabalho forçado ou que remetem à escravidão),
  • Empregados domésticos – se o empregador faz o recolhimento do FGTS (Fundo de Garantia de Tempo de Serviço).
  • Pessoas que não possuem renda própria suficiente (de qualquer natureza) para o sustento da família,
  • Empregado formal com um contrato de trabalho suspenso devido a programas de qualificação profissional ou cursos que foram oferecidos pelo empregador.

Mudanças recentes no seguro-desemprego também foram aplicadas pelo tempo de permanência no emprego. Por isso, para assegurar o benefício do seguro-desemprego pela primeira, segunda ou terceira (ou mais) vezes, as regras são:

Para a primeira solicitação do seguro-desemprego:~ Comprovar salário recebido em pelo menos 12 meses – consecutivos ou não – dos últimos 18 meses anteriores (e imediatos) ao desligamento com a empresa.
Para a segunda solicitação do seguro-desemprego:~ Comprovar salário recebido em pelo menos 9 meses – consecutivos ou não – dos últimos 12 meses anteriores (e imediatos) ao desligamento com a empresa.
Para a terceira (ou mais) solicitação do seguro-desemprego:~ Comprovar salário recebido em pelo menos 6 meses anteriores (e imediatos) ao desligamento com a empresa.

 

Quais são os números de parcelas?

O número de parcelas do benefício de seguro-desemprego varia de forma contínua ou alternada.

É importante entender que a concessão do benefício é a cada 16 meses, este sendo chamado de período aquisitivo.

Para calcular o número de parcelas que serão beneficiadas deve-se utilizar o total de meses que foram trabalhados nos 36 meses anteriores (e imediatos) da data de dispensa do trabalho. Com as novas regras do seguro-desemprego, a quantidade de parcelas mensais (assim como a quantidade de solicitações já feitas), de acordo com os meses trabalhos é:

Primeira solicitação do benefício

De 12 a 23 meses trabalhados

4 parcelas

Mínimo de 24 meses

5 parcelas

Segunda solicitação do benefício

De 9 a 11 meses

3 parcelas

De 12 a 23 meses

4 parcelas

Mínimo de 24 meses

5 parcelas

Terceira (ou mais) solicitação do benefício

De 6 a 11 meses

3 parcelas

De 12 a 23 meses

4 parcelas

Mínimo de 24 meses

5 parcelas

Os meses trabalhados não precisam ser necessariamente consecutivos, contanto que estejam de acordo com o período de 36 meses, calculados a partir da data de dispensa.

Um lembrete é que se os meses trabalhados já foram usados em solicitações de seguro-desemprego anteriores, eles não poderão ser considerados novamente, até mesmo se eles estiverem no período de 36 meses.

Quem não pode solicitar o seguro-desemprego?

O seguro-desemprego não pode ser solicitado por:

  • Trabalhadores que foram demitidos por justa causa,
  • Trabalhadores que pediram demissão,
  • Trabalhadores que não receberam salários consecutivos nos últimos seis meses anteriores da data de desligamento com a empresa, e
  • Trabalhadores que não foram empregados por pessoa jurídica por pelo menos seis meses nos últimos 36 meses.

O seguro-desemprego também não vale para pessoas que possuam renda própria suficiente para o seu sustento e da família, bem como para aqueles que recebem qualquer outro benefício contínuo, exceto da pensão por morte e auxílio-acidente.

Carteira de trabalho

Modalidades de seguro-desemprego

Existem cinco tipos de modalidades de seguro-desemprego.

Cada tipo está relacionado com o tipo de trabalhador que irá fazer a solicitação do benefício:

Seguro-desemprego Formal – modalidade mais comum e que é a mais direta conforme a definição do auxílio.

Seguro-desemprego Empregado Doméstico – modalidade que beneficia os empregados domésticos que estão desempregados, que tenham FGTS e que foram despedidos sem justa causa.

Seguro-desemprego Pescador Artesanal ­– auxílio de um salário mínimo para pescadores que trabalham de maneira ininterrupta, mas que são obrigados a parar em épocas onde há a reprodução das espécies, mantendo assim sua preservação.

Seguro-desemprego Empregado Resgatado – para trabalhadores resgatados de trabalhos com condições precárias, forçadas e que remetem à escravidão.

Bolsa Qualificação – essa modalidade é uma opção contrária à demissão, principalmente em momentos com a economia instável. Os empregadores oferecem essa alternativa, mantendo o contrato de trabalho suspenso. 

Como dar entrada no seguro-desemprego?

Entrar com o requerimento para o seguro-desemprego varia também conforme a modalidade:

  • Trabalhador formal: necessita solicitar do 7º ao 120º após a data de desligamento com a empresa.
  • Empregado doméstico: necessita solicitar do 7º ao 90º a partir da data de desligamento com o empregador.
  • Pescador artesanal: até 120 dias antes do início do período de proibição.
  • Trabalhador resgatado: a partir da data do resgate até o 90º dia.
  • Bolsa qualificação: durante o período da suspensão do contrato de trabalho.

O local de solicitação do benefício seguro-desemprego pode ser feito em agências credenciadas da Caixa Econômica Federal (apenas os trabalhadores formais), postos habilitados do Ministério do Trabalho e Emprego, no SINE (Sistema Nacional de Emprego) ou nas SRTE (Superintendências Regionais do Trabalho e Emprego), assim como os mesmos irão fornecer os detalhes sobre documentações específicas para cada modalidade de seguro-desemprego.

O seguro-desemprego pode ser cessado ou suspenso?

Sim.

O corte do pagamento, por exemplo, pode acontecer se o desempregado for admitido em um novo emprego, como também se começar a receber outro benefício contínuo da Previdência Social (ainda com as exceções do auxílio-acidente e pensão por morte).

Outro motivo importante na extinção do seguro-desemprego é se o trabalhador desempregado se negar a participar de ações que o ajudem a ser recolocado no mercado de trabalho.

A suspensão do seguro-desemprego, por outro lado, pode acontecer em casos de:

  • Recusa na admissão de um emprego que se adequa ao salário anterior e sua qualificação,
  • Fraudes para obter o seguro-desemprego,
  • Falsificação nas informações para iniciar o processo de seguro-desemprego, e
  • Morte do segurado.

Cálculo do seguro-desemprego

O cálculo do seguro-desemprego é o mesmo para três modalidades: empregado doméstico, trabalhador resgatado e pescador artesanal. Nesses casos, o valor é um salário mínimo.

Já o trabalhador formal, já que seu emprego é regido pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), o cálculo é diferente. Usa-se uma fórmula para o cálculo, sempre baseando-se no salário médio dos últimos três meses anteriores ao desligamento com a empresa.

Nesse caso:

  • Se o salário médio do trabalhador for de até R$ 1.222,77, o valor da parcela é calculado através da multiplicação do salário médio por 0.8 (80%).
  • Já se o salário médio for de R$ 1.222,78 até R$ 2.038,15, o valor da parcela é calculado através da multiplicação do salário médio por 0.5 (50%) e ainda se soma 978,22.
  • E se o salário médio for acima de R$ 2.038,15, o valor da parcela é $ 1.385,91, sem variação.

Por fim, o valor do seguro-desemprego nunca poderá ser inferior ao salário mínimo (que altera-se no início de todos os anos). Atualmente, o salário mínimo é R$ 788,00.

Como o seguro desemprego não dura para sempre você deve se preparar para conseguir um novo emprego mesmo em tempos difíceis. Para isso o primeiro passo é qualificar-se com cursos, preparar um ótimo currículo ou baixar um de nossos modelos e ir bem nas entrevistas de emprego.

Gostou do artigo? Comente!

One Response

  1. Renato da Silva Nagis 18 de outubro de 2016

Deixe uma resposta para Renato da Silva Nagis Cancelar resposta